S-Kart

Bem, amigos, aqui vão novas dicas... Pra quem quer se aperfeiçoar. O texto é longo, mas vale a pena.

1) ANDANDO RÁPIDO

Bom, antes de pensar em andar rápido, primeiro você tem que ser consistente. Não adianta fazer uma volta voadora, e na volta seguinte ser 3 ou 4 segundos mais lento.

Num determinado traçado, por exemplo, as melhores voltas estão na casa de 43s. Se você ainda não está rodando nesse ritmo, primeiro pense em ser consistente em 44s, ou seja, andar o maior número de voltas possível no mesmo ritmo.

Uma vez que consegue fazer isso, agora vamos adiante: pilotar no limite.

Mas o que queremos dizer com pilotar no limite? Queremos dizer que teremos os quatro pneus do kart no seu limite máximo de aderência e que qualquer centésimo de quilômetro por hora a mais fará com que esse limite seja ultrapassado, provocando uma derrapagem excessiva e, quem sabe, fazendo o kart rodar.

Quando falamos de limite no kart, estamos falando em curvas. Nas retas, é só pé em baixo!

2) TIRANDO O MÁXIMO DAS CURVAS

Sua maior prioridade, depois de se manter no traçado ideal de uma curva, é aperfeiçoar a sua saída, ou seja, a fase de aceleração. Em seguida, você deveria trabalhar a fase de entrada da curva, procurando levar cada vez mais velocidade para dentro da curva, até o ponto em que ela começará a afetar negativamente sua aceleração na saída.

Mas como fazer isso?

Em um kart com embreagem, a regra é manter as rotações elevadas. No entanto, isso não é tão simples. A faixa ideal de rotação de um motor – a faixa de rpm onde o motor produz sua potência máxima e acelera o mais forte possível – está perto do limite máximo do mesmo. Normalmente se encontra nos últimos três ou quatro mil giros antes do limite de estouro da máquina. Se a rotação do motor cair muito abaixo desta faixa ideal, você gastará muito tempo até conseguir fazer com que ela suba novamente, reduzindo sua velocidade.

O segredo é pilotar numa linha que permita reduzir a velocidade do kart o menos possível. Lembre-se que toda vez que se reduz a velocidade de um kart, você terá que acelerar novamente para ganhar a velocidade perdida. E isso leva tempo - tempo desperdiçado, se a curva pudesse ter sido feita sem reduzir tanto a velocidade.

A ideia básica de fazer uma curva é tentar fazer a curva num traçado mais reto possível.

 

Em uma curva de com um ângulo de aproximadamente 90º, a trajetória ideal é contornar fazendo a tomada, tangência e saída, como indicado na figura acima.

 

Ponto de Entrada: É o ponto onde você começa a virar o volante para fazer a curva. Você deve abrir para aumentar o raio e ir fechando para encontrar o Ápice ou Tangência que é, geralmente, a parte interna da curva.

Ápice ou Tangência: É o trecho mais lento onde o kart passará, geralmente, pelo lado mais interno da curva.

Saída de Curva: É a parte em que o kart volta a andar em linha reta. Isso significa que o ponto de saída normalmente estará no lado mais externo da pista. Isto ajuda aumentar o raio da curva, fazendo com que ela fique "mais reta" do que se você ficasse mais para o meio.

Na verdade, se você não estiver desvirando (endireitando) o volante da área de ápice em diante, provavelmente você entrou muito cedo na curva. Da próxima vez, tente entrar mais tarde nesta curva.

 

O próximo passo é o ponto de freada e a retomada da aceleração, indicado na figura abaixo: 

 

Você deve frear sempre antes de contornar a curva, com o volante em linha reta, e nunca no meio dela, senão você corre o risco de rodar. A parte vermelha indica o ponto certo da freada

A aceleração deve ser feita gradativamente, logo depois da freada, até a saída da curva onde você pode acelerar tudo, mas tome cuidado para não acelerar demais, senão correrá o risco de rodar.

Depois que você já estiver se sentindo seguro com o kart, poderá freiar e acelerar ao mesmo tempo, controlando a velocidade somente no freio e fazendo que o kart saia da curva mais rápido. 

E lembre-se fazer uma curva acelerando é mais fácil do que fazer apenas no embalo, pois acelerando o kart irá tracionar e segurar na pista.

 

Sua aceleração na reta é mais importante que sua velocidade na curva. Lembre-se que o traçado que você escolher numa curva é que vai determinar a velocidade e o quanto de aceleração você terá na reta. Se você antecipar muito a entrada terá que corrigir e assim perderá tempo. Se você entrar tarde de mais você não encontrará o Ápice ou a tangência correta e fatalmente terá que frear e corrigir a trajetória, resultado: perca de muito tempo.

Portanto, o ideal é que você reduza um pouco a sua velocidade de entrada para que assim você possa fazer o raio inicial mais fechado e mais cedo na curva. Com isso a sua velocidade mais rápida na saída de curva e ao longo da reta superará facilmente a velocidade mais lenta na curva. Então anota aí: Entrar mais fraco para sair mais forte.

 

E a curva no final da reta?

- Normalmente uma curva no final de uma reta não leva a outra grande reta. Então é melhor entrar nela com o máximo de velocidade possível, mesmo comprometendo sua velocidade de saída. O segredo está em frear o mais tarde possível, mas não exagera se não você vai passar reto, mantendo sua velocidade de reta o máximo possível. Isso significa frear bem fundo na curva.

 

Só restou a curva que conecta a outra curva.

Há uma coisa que é preciso saber em relação a qualquer curva. Ganha-se mais ao entrar devagar e a sair rápido do que entrar rápido e sair devagar.

Imagina esta situação prática:

Quanto tempo ganhas em travar mais tarde 1 metro para uma curva? Deve ser na casa de 0,1 segundos.

Quanto tempo perde ao teres que fazer a curva toda sem acelerar, com o kart escorregando e ainda por cima a ver os outros acelerarem e passarem por dentro? Deve ser pelo menos 1,0 segundo. (é só imaginar e fazer as contas)

Ainda por cima, está demonstrado (sei que li isto, mas não sei onde) o seguinte:

dois carros idênticos ao entrarem numa reta em aceleração idêntica; - um está andando1 Km/h mais rapido do que o outro; - no final da reta, o que entrou 1Km/h mais rápido terá uma vantagem de alguns METROS sobre o outro.

Sei que os karts com que andamos têm motores pouco rotativos e esgotam muito antes de a "tal" reta acabar. Mas dá sempre para ganhar meio kart de vantagem. Isto tudo só para explicar e lembrar que em qualquer curva ganha-se mais em entrar com cabeça do que com velocidade. Agora, quando estás diante de uma curva e contra curva ou uma chicane, tudo isto tem que ser tomado com muito mais em atenção.

A curva mais importante numa situação destas é sempre a última. É para esta última curva de uma sequência que tens que dedicar toda a tua atenção para a fazeres com o máximo de velocidade possível.

Tens que olhar para essa curva e ver qual é o seu melhor traçado. Só depois é que pensas no traçado da curva anterior, fazendo com que o traçado acabe no exato ponto em que queres que comece o traçado da última curva.

 

3) ULTRAPASSAGENS

 Às vezes ficas demasiado tempo atrás de alguém. Sabes que és mais rápido, mas ficas voltas e voltas por ali… É fácil pensar que deverias ter sido mais corajoso e agressivo, mas, o segredo é outro. Ultrapassar é simples, desde que se treine e se atue da melhor forma. Na maior parte das vezes, o medo é que não deixa que ultrapassemos. O medo de bater ou tirar o outro piloto da pista, etc. Há quem diga que não devemos ter medo. Há quem diga que devemos fechar os olhos e avançar, mas eu não concordo. Primeiro porque isso seria saltar para o desconhecido, coisa que me assusta, e também seria uma manobra mal calculada e que poderia ter todo o tipo de conseqüências.

 

Agora ao que interessa.

Primeiro tens que tirar o medo da cabeça. Se estiver sempre a pensando no que pode acontecer de mau, não sobra espaço nenhum para concentração.

Depois, tens que se especializar em travar mais tarde. Para se ultrapassar no kart, ou se é muito mais leve na saída de uma curva, ou o nosso kart está muito melhor e ultrapassamos na reta, ou então, conseguimos travar mais tarde para a curva mantendo o traçado e uma boa velocidade.

Para esta manobra tens que mandar uma “patada” no freio e conforme o kart reaja, é que vais largando gradualmente até começar a fazer a curvar e acelerar.

Com certeza vais sobrar umas poucas de vezes… mas quem não arrisca, não petisca. É preciso treinar esta manobra, por isso lembresse… Quando andar sozinho na pista treinando ou a gerir vantagem sobre alguém, experimenta travar em locais fora das trajetórias normais. Assim, quando tiverem que fazer a sério, já treinaste qualquer coisa. Outra coisa… nunca fique “muito” a olhar para quem vai à tua frente. Todos têm a tendência de ir para onde os nossos olhos estão virados. Se passares o tempo todo a olhar para a traseira do kart que vai a frente, vais ficar lá eternamente.

Última coisa... depois de passares alguém, esquece-o. OLHA PARA A FRENTE. Não te deixes pressionar. Se és mais rápido, vais se distanciar e “mais nada”. Se não és mais rápido, e estiveres sempre a olhar para trás, ele “come-te” com o dobro da facilidade.

Já percebeu que só há duas maneiras simples de ultrapassar:

- em reta, quando o teu kart está mais rápido;

- em curva, ao meter por dentro.

 

Em relação à situação da reta, não há nada a dizer.

Em relação à situação da curva, já sabes que basta ganhar posição por dentro, travar um bocadinho mais tarde e “ já era”. O problema é que basta o outro ter lido estes textos e não  vai te deixar ganhar posição...

Também pode acontecer que o outro te feche a porta (à Schumacher). Cuidado com estas situações porque costumam dar mau resultado. Tens que ter a certeza que ele sabe que estás no buraco da agulha, senão ele pode fechar "sem querer".

 

Que outras opções tens? Já te digo...

Se o tipo está a fechar bem à entrada, podes tentar fazer a curva um bocadinho mais aberta à entrada para poderes acelerar cedo e teres mais velocidade à saída, ficando a par dele. Só tens que te lembrar que deves ficar a par dele, mas do lado de dentro da curva que vem a seguir. Assim usas uma curva para ganhar posição para a próxima.

Outra opção que tens, é o "blefe". Decides em que curva ou curvas vai arriscar o "blefe" e durante uma ou duas voltas, simulas que vais tentar passar por fora. Quando vires que o outro começa a tentar fechar-te do lado de fora, tentas atirar-te para o lado de dentro, ganhando posição (isto funciona bem com os que passam a vida a olhar para trás).

Por último, se vires que não dá de maneira nenhuma, deixa de arriscar.

A partir do momento que percebes que não dá de maneira nenhuma, o melhor é deixar de tentar mas mantendo-se desperto e coladinho. Se vocês não andarem à luta, andam mais rápido e corres menos riscos de o que vem atrás de ti se aproximar. Ao mesmo tempo, o outro vai na mesma sentir-se pressionado e talvez ele se desconcentre o suficiente para cometer um erro e tu passas sem trabalho e sem risco.

Parte 1 | Parte 3

Próximas corridas

Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sáb
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30